ROPPONGI - 970x250

Eduardo Riedel reúne experiência de gestão e arrojo político em Mato Grosso do Sul

Pré-candidato ao Governo, ele fala sobre suas ideias para o desenvolvimento do Estado

por Assessoria de Comunicação

Eduardo Corrêa Riedel é carioca de nascimento e sul-mato-grossense de coração, com fortes raízes em nosso estado e uma história de protagonismo e representatividade tanto no agronegócio quanto na gestão pública.

Graduado em ciências biológicas pela UFRJ é mestre em zootecnia pela UNESP e especialista nas áreas de gestão empresarial, pela FGV, e gestão estratégica, pelo instituto francês INSEAD. Em 1994, Riedel casou-se com Mônica e teve dois filhos: Marcela e Rafael.

Em 1995, após o falecimento de seu avô, Sebastião, mais conhecido como ‘Seu Tatão’, Riedel assumiu a gestão da propriedade rural da família, em Maracaju. Com foco na gestão e na tecnologia, mudou o perfil produtivo da Fazenda Sapé – tornando-a referência em governança familiar, sustentabilidade e diversificação por meio da produção de carne bovina e genética brangus, cana-de-açúcar, grãos, leite e avicultura de corte.

Mas foi a vontade de fazer mais pelo coletivo que levou Riedel a participar do Sindicato Rural de Maracaju até presidir a entidade em 1999. Seu perfil de liderança o transformou em presidente da Federação da Agricultura e Pecuária de MS (FAMASUL) e, em seguida, diretor da Confederação Nacional de Agricultura (CNA). O destaque no segmento foi tão grande que foi considerando uma das 100 personalidades mais influentes do agronegócio brasileiro.

Em 2015, a convite do governador Reinaldo Azambuja, assumiu um desafio ainda maior e aceitou ser Secretário de Governo. Na SEGOV, Riedel conduziu pessoalmente as mais importantes reformas realizadas no estado, tornando-o o mais enxuto do brasil e líder em transparência.  À frente desta secretaria por dois mandatos, Riedel cortou despesas, modernizou processos e liderou equipes de várias áreas, em busca de mais eficiência e resultado no serviço público. Foi assim que o Mato Grosso do Sul se tornou o 1º estado em crescimento, o 1º em investimento por habitante; o 2º em liberdade econômica; o 3º com o menor desemprego e o 5º com a menor taxa de pobreza do país.

Eduardo Riedel deixou a pasta em 2021 para assumir o cargo de Secretário de Infraestrutura de Mato Grosso do Sul, com a missão de impulsionar o ciclo de desenvolvimento econômico, social e humano do Estado.

Durante a pandemia ele também presidiu o comitê gestor do programa de saúde e segurança na economia, o ‘Prosseguir’, que teve papel fundamental tanto no controle da propagação da Covid no estado, quanto na retomada das atividades econômicas e nas políticas de auxílio para os mais carentes e, também, do setor produtivo pós-crise.

Após tantas experiências, Riedel foi chamado para um novo grande desafio: ser pré-candidato ao Governo do Estado de Mato Grosso do Sul e disputar, pela primeira vez, um cargo eletivo.

O NOVO, COM MUITA EXPERIÊNCIA

Mas isso não é problema para ele. Para Riedel, mais importante do que ter “nome e sobrenome de político” é ter experiência em gestão, e isso ele tem de sobra. “As pessoas pensam que para entrar na política tem que ser político profissional. Muito mais estranho do que disputar um cargo eletivo pela primeira vez é querer ser político sem nunca ter tido uma experiência em gestão. Isso sim é temerário. Políticos todos nós somos, em maior ou menor grau, fazemos política todos os dias. Além disso, política se faz com políticas públicas por meio da gestão, da busca por resultados e não por meio da demagogia. Por isso a classe política está tão desgastada”, afirmou.

Ele criticou quem busca a gestão de um governo, de uma instituição, propondo politicagem, quando na verdade é preciso priorizar a gestão de resultados. “A política é consequência deste processo. A sociedade tem cobrado este tipo de postura. Demagogia não engana mais ninguém. As pessoas querem resultado, verdade, transparência e competência são os valores que devem nos guiar nesta desafio”, afirmou o pré-candidato.

É com base nesta filosofia que Eduardo Riedel aceitou o desafio proposto. A decisão, explica, foi fruto de sua história de vida e de um longo trabalho de gestão na iniciativa privada e na vida pública, que o levou a representar um novo modelo de gestão de trabalho. “Represento um novo modelo de trabalho. Sou empresário e produtor rural, dediquei minha vida à minha formação e aos negócios da minha família, e também trabalhando pelo coletivo em instituições. Tenho acúmulo de conhecimento, preparo e determinação para trabalhar pelo coletivo”, assegurou.

Sobre aqueles que dizem que seu nome representa uma continuidade ao Governo Reinaldo Azambuja, Riedel é claro.

“Sempre digo que o Reinaldo é o Reinaldo e o Riedel é o Riedel. Quem acha que pode manter uma situação permanente em uma sociedade em transformação, se engana. Se for para manter o que deu certo, o que evoluiu e deu bons resultados, vamos manter. Outras coisas exigirão novas maneiras de atuar e me sinto totalmente capacitado para, com dinamicidade na gestão, encontrar novos caminhos que garantam as entregas e resultados que a sociedade sul-mato-grossense exige”.

GERAÇÃO DE EMPREGOS

Um dos principais problemas no Brasil, hoje, é o desemprego. Eduardo Riedel não se intimida com os desafios que serão necessários para superar esta crise. Ele explica que, apesar do Estado ter a terceira menor taxa de desemprego do país, a falta de qualificação profissional é um entrave a ser sanado nos próximos anos. O pré-candidato do PSDB revela que o Estado tem hoje aproximadamente 20 mil vagas de empregos abertas devido ao bom ambiente de negócios e de atração de empresas e indústrias criado no últimos anos. No entanto, os empresários dizem que não conseguem ocupar estas vagas. Por que isso ocorre? Riedel explica.

“Quando olhamos o perfil destas famílias que hoje dependem de ajuda do Governo e cujos membros, muitas vezes, estão desempregados, vemos que o erro ocorreu lá atrás, no processo histórico, de formação e qualificação profissional de toda uma geração. Não podemos errar de novo. Como resolver? Não tem outro caminho: educação, capacitação, qualificação dos sul-mato-grossenses, especialmente dos jovens. Temos que massificar este processo, para que estas oportunidades que dão dignidade e renda sejam aproveitadas. Este é o grande desafio e temos condições de enfrenta-lo. Apesar de MS ter a 3ª menos taxa de desemprego do país, muita gente está desempregada por falta de qualificação. Vamos buscar alternativas para estas pessoas”, explicou Riedel.

FUTURO

Na avaliação de Eduardo Riedel, o Estado hoje se encontra em plenas condições de alçar voos ainda mais ousados, e se consolidar como referência nacional em rankings como geração de empregos, transparência, crescimento do PIB, complience, gestão, além de se tornar, nos próximos anos, o primeiro do país a universalizar saneamento básico, fruto de uma PPP (Parceria Público Privada), modalidade que também vai garantir a Mato Grosso do Sul uma interligação por meio de fibra ótica em todos os 79 municípios, possibilitando melhorias na prestação de serviços públicos e mais competitividade ao setor privado, uma vez que uma Infovia Digital será capaz de garantir eficiência, agilidade e celeridade na transmissão de dados.

Related Posts

Deixe um Comentário